Ampliação de fotos: entenda como funciona esse processo! 🖼📷

A fotografia é uma arte, uma forma de expressão e de documentação de fatos históricos que está presente há tanto tempo na nossa vida e que dificilmente paramos para refletir sobre a sua evolução, não é mesmo? Do analógico ao digital, o processo fotográfico passou por diversas mudanças, sempre em constante evolução.

E um processo fotográfico, em particular, que continua sendo muito utilizado (e também muito importante!) durante todos esses anos é a ampliação de fotos. Quer saber mais sobre o que é isso e como ele funciona? Então, continue lendo este artigo para descobrir!

A evolução da fotografia

Quando falamos em fotografia, a primeira coisa que pode vir à mente é o uso da luz para a reprodução de imagens. Dessa forma, é possível regredirmos até cerca de 350 a.C. e encontrarmos registros considerados fotográficos oriundos de experimentos químicos.

O princípio da câmara escura, no qual a produção de imagens se dá por meio da passagem da luz através de um pequeno buraco na parede de algum recipiente escuro está presente na história da humanidade há muitos e muitos séculos. Entretanto, a fotografia como a conhecemos hoje surgiu apenas com a criação de dispositivos capazes de fixar as imagens produzidas na câmara escura, no final do século XVIII.

Entre os anos de 1793 e 1824, o inventor francês Joseph Nicéphore Niépce experimentou várias técnicas de fixação de imagens produzidas pela câmara escura, desde superfícies variadas a, até mesmo, verniz de asfalto. Apenas em 1826, é que ele foi capaz de produzir a primeira fotografia de duração indefinida, utilizando uma placa de estanho recoberta de verniz de asfalto — também conhecido como betume da Judéia.

Com uma exposição de cerca de 8 horas, Niépce gravou a imagem da vista da janela de sua casa. Essa foto é reconhecida até hoje como a primeira fotografia da história, e foi batizada como “Vista da Janela de Le Gras”.

Após seu falecimento, todo o conhecimento de Niépce, que na época não havia sido patenteado, foi transmitido para Louis Jacques Mandé Daguerre, que deu sequência aos estudos. Em conjunto com o governo francês, Daguerre desenvolveu o primeiro dispositivo produzido em larga escala para capturar imagens, o daguerreotipo.

A partir de então, nomes como William Henry Talbot, Frederick Scott Archer e a própria Eastman Kodak Company contribuíram enormemente para que a fotografia se tornasse, cada vez mais, popular e acessível.

Em 1935, por exemplo, a Kodak lançou o Kodachromes, uma tecnologia que permitia fotografar imagens coloridas de maneira comercial e em larga escala, aprimorando os inventos dos irmãos Lumière no século XIX.

Por fim, a fotografia digital surgiu apenas em 1990, há pouquíssimo tempo se compararmos com a história de toda a fotografia em si. Novamente, a percursora da tecnologia digital foi a Kodak, com sua Kodak DCS 100, a primeira câmera digital do mundo.

Hoje em dia, essa tecnologia se aprimora ano após ano, em um ritmo difícil de acompanhar, sendo aplicada em diversos dispositivos, de celulares a tablets.

O processo de ampliação analógica

Na época da fotografia analógica, era muito comum ouvirmos falar em dois processos: revelação e ampliação. Possível até mesmo de ser feito em casa, o primeiro consiste na transformação da imagem registrada no negativo em uma positiva por meio da utilização de agentes químicos, responsáveis por auxiliar na fixação da imagem.

A passagem da imagem do negativo para o papel se dá com a utilização de um dispositivo grande e relativamente caro, o ampliador. É ele que projeta a fotografia negativa no papel virgem, fornecendo, ao mesmo tempo, a capacidade de se ampliar ou reduzir o tamanho do produto final.

O processo de ampliação de fotos digitais

A fotografia digital funciona de uma maneira bastante diferente da analógica. Ela parte da criação de arquivos de imagens a partir da sensibilização de um sensor eletrônico presente dentro da câmera fotográfica. Por isso, o processo de “revelação” das imagens também é bastante distinto.

Assim, as fotos digitais são formadas pela conversão de um sinal luminoso em um sinal elétrico, que por sua vez é processado pelos circuitos eletrônicos da câmera digital. O resultado é a gravação de inúmeros pontos coloridos conhecidos como pixels.

Dessa forma, temos o conceito de resolução das imagens, que corresponde à quantidade de pixels presentes em uma foto. Teoricamente, quanto maior for essa resolução, mais informação teremos no arquivo e mais qualidade a impressão terá. No entanto, tudo isso também depende da qualidade do sensor, que não precisa ter uma resolução gigantesca.

Assim, a ampliação de fotos digitais costuma ser bastante flexível, possibilitando a impressão de fotos em uma infinidade de tamanhos, sempre respeitando a resolução. Para entender melhor, podemos dizer que uma câmera de 20 MP produz imagens de resolução 5472 x 3648 pixels, o que corresponde a uma ampliação de até 46×31 centímetros. Isso se considerarmos o padrão de 300 dpi — pontos por polegada, correspondência de qualidade nas impressões em papel.

O que fazer com as ampliações

Agora que você já conhece o processo de ampliação e impressão de fotos digitais, chegou a hora de entender o que é possível fazer com essas imagens. Atualmente, o mercado apresenta uma infinidade de produtos, como fotolivros, agendas, canecas, calendários, camisetas, cartões postais, ímãs de geladeira etc. Ou seja, são várias as possibilidades de aproveitamento dessas imagens!

Um dos grandes problemas que vieram com o surgimento da fotografia digital é o armazenamento das fotos, que ficam eternamente esquecidas em HDs, pendrives e nuvens. Por isso, imprimi-las ainda é a melhor maneira de aproveitar todas as recordações de uma data importante, de uma viagem inesquecível ou simplesmente do dia a dia em família.

Para tanto, é fundamental contar com um fornecedor que trabalhe com equipamentos de qualidade, além de insumos importantes como papéis e diferentes tipos de impressão. O resultado final da sua ampliação de fotos digitais depende muito da qualidade da empresa que você escolheu!

E aí, curtiu nosso artigo? Conseguiu entender como funciona o processo de ampliação e revelação de fotos para imagens analógicas e digitais? Então aproveite para conferir tudo que a Nicephotos pode fazer na revelação das suas fotos!